O processo de aprendizagem é complexo e constante — e o desenvolvimento cognitivo é um de seus pilares!
Voltar à home em SophiA Central de vendas: +55 (12) 99654-1838 PABX: (12) 2136 7200
Central de vendas: +55 (12) 99654-1838 PABX: (12) 2136 7200 Capa do Blog Bibliotecas e Acervos Gestão Escolar Materiais Educativos Eventos
Por SophiA Em Gestão Escolar Atualizada em 18 FEV 2020 - 15H33

Entenda tudo sobre processo de aprendizagem neste artigo

O processo de aprendizagem é complexo e constante — e o desenvolvimento cognitivo é um de seus pilares!

A aprendizagem é um conceito amplo que se refere à aquisição de conhecimento, habilidades e valores. Trata-se de uma experiência constante, visto que o processo começa logo que o ser humano nasce, e segue acontecendo durante toda a vida.

Enquanto um criança cresce, por exemplo, ela se desenvolve de diversas maneiras — que incluem tanto aspectos emocionais, orgânicos, psicossociais e culturais quanto cognitivos. Este último, entretanto, configura-se como um dos pilares na assimilação de novas informações. Isso porque o chamado desenvolvimento cognitivo infantil refere-se às capacidades mentais, ou seja, ao ato de processar dados e compreendê-los.

Desenvolver-se cognitivamente significa trabalhar e aprimorar habilidades como a atenção, o raciocínio, a memória, a linguagem, a imaginação, o pensamento simbólico, a percepção e a associação.

E esse desenvolvimento cognitivo é abordado, justamente, na teoria de um dos principais estudiosos quando o assunto é o processo de aprendizagem: Jean Piaget.  Outro pensador que também fez importantes apontamentos a respeito do tema é Lev Semenovich Vygotsky

A seguir, falaremos mais sobre as reflexões de cada um deles. Acompanhe!     

As teorias da aprendizagem, de  Piaget e Vygotsky

Jean Piaget e Lev Semenovich Vygotsky foram dois importantes pensadores que contribuíram para o entendimento do processo de aprendizagem por meio de suas teorias sobre o assunto.

Confira, abaixo, os principais pontos levantados por cada um: 

Jean Piaget

Piaget (1896 – 1980) foi um psicólogo e biólogo suíço e um dos nomes mais relevantes do século XX no que se refere à área educacional — mais especificamente, ao campo da aprendizagem. Segundo ele, a aquisição de conhecimento acontece por meio de experiências adquiridas em um contexto no qual se está inserido. Para o estudioso, a formação do conhecimento humano depende da interação entre o indivíduo e o ambiente em que ele vive.

Jean Piaget ainda pontua que o desenvolvimento cognitivo infantil passa por quatro etapas que começam logo depois do nascimento da criança e vão até o início da adolescência, que é quando a capacidade plena de raciocínio é atingida. Tais etapas são as seguintes: 

1) Primeiro período: o sensório-motor e o começo da percepção 

Fase que acontece de zero a dois anos de idade. Trata-se do período em que a criança começa a desenvolver a fala, a capacidade de controlar os seu reflexos, as suas ações motoras e a percepção do mundo físico.

De acordo com o psicólogo e biólogo suíço, esse primeiro período do desenvolvimento cognitivo no processo de aprendizagem é regido pelo campo sensorial. Tal etapa refere-se ao primeiro contato das crianças com mundo que as rodeia — elas, através de suas capacidades motoras, passam a experimentar e conhecer os objetos que estão à sua volta.

2) Segundo período: o pré-operatório e a representação

Acontece dos dois aos sete anos de idade. Aqui, os pequenos já contam com a capacidade de desenvolver o pensamento simbólico e de comunicar-se de forma verbal.

O egocentrismo é umas das características chave nessa fase. Ou seja: para a criança, a perspectiva dela é também a realidade que existe para todos os outros indivíduos. Nessa etapa,  o pequeno entende e percebe o mundo apenas considerando as suas próprias experiências. 

Conforme Piaget, esse egocentrismo só começa a perder força a partir de cerca de quatro anos de idade, quando o desenvolvimento cognitivo passa a contribuir para que as crianças comecem a entender que outros indivíduos além delas também podem ter opiniões, desejos e sentimentos. 

Ainda nessa etapa, também começa a se desenvolver o pensamento representativo, o pensamento lógico e a noção de regras e valores. Entretanto, as crianças ainda não contam neste estágio com condições que as possibilitem fazer julgamentos entre o certo e o errado, por exemplo.

3) Terceiro período: as operações concretas e o pensamento lógico

Manifesta-se dos sete aos doze anos de idade. O desenvolvimento de conceitos, da aplicação dos princípios e da lógica, da capacidade de realizar ações em seus pensamentos — aplicadas a objetos concretos que são conhecidos pela criança, como algum brinquedo, uma comida ou uma roupa, por exemplo — caracterizam esse período.

Nessa fase, segundo Jean Piaget, percebe-se também o desenvolvimento da moral. Ou seja, os pequenos já conseguem diferenciar o certo do errado, e as noções de regras ficam mais claras.

4) Quarto período: as operações formais e a assimilação do conteúdo

Acontece a partir dos doze anos de idade. De acordo com Piaget, trata-se da última etapa na linha do desenvolvimento cognitivo, dentro do processo de aprendizagem — que é quando a criança começa a entrar na adolescência. 

No quarto período, já existe a capacidade de administrar o pensamento abstrato, bem como de gerar hipóteses e investigar suas possíveis consequências. O adolescente adquire, aqui, o pensamento científico — ele consegue ir além das coisas reais, sendo capaz de desenvolver suas próprias teorias e ideias sobre o mundo.

Essa etapa também é marcada pela maior compreensão das experiências vividas por outros indivíduos, ou seja, os adolescentes passam a enxergar, de fato, o ponto de vista alheio. 

Lev Semenovich Vygotsky

Vygotsky (1836-1934), por sua vez, foi um pensador e filósofo russo, formado em Direito e História, que também destacou alguns pontos importantes relacionados ao processo de aprendizagem.

Assim como Jean Piaget, a teoria de Vygotsky também considera que o desenvolvimento cognitivo acontece por meio da interação social, ou seja, da interação do indivíduo com outros indivíduos e com o meio (a interação entre as pessoas resulta em novas experiências e, por consequência, na possibilidade de aquisição de conhecimento).

Para Lev Semenovich Vygotsky, a aprendizagem é uma experiência social, mediada tanto pelo uso de instrumentos e signos — este último refere-se a algo que significaria alguma coisa para o indivíduo (é o caso da linguagem falada e da escrita, por exemplo) — quanto pela interação entre a linguagem e a ação.

Ainda segundo o pensador russo, para que aconteça a aprendizagem, essa interação social precisa acontecer dentro da chamada Zona de Desenvolvimento Proximal (ZDP) — que seria a distância existente entre o que indivíduo já sabe e aquilo que possui potencialidade para aprender. Nesse sentido, conforme Vygotsky, é papel do professor mediar a aprendizagem por meio de estratégias capazes de levar o estudante tanto a tornar-se independente quanto a estimular o conhecimento potencial — para que, assim, seja criada, constantemente, uma nova ZDP. 

Para isso, algumas opções dos docentes são o estímulo do trabalho em grupo com os alunos, bem como o uso de técnicas para motivar, facilitar a aprendizagem e diminuir a sensação de solidão do estudante. Lev Semenovich Vygotsky já alertava, no entanto, a respeito da importância de o professor ficar atento para permitir que o discente construísse seu conhecimento em grupo, mas com participação ativa e cooperação de todos os envolvidos na situação. 

A teoria de aprendizagem de Vygotsky destaca a necessidade de possibilitar a criação de ambientes de participação, de atividades colaborativas e troca de ideias, e com constantes desafios.

A Programação Neurolinguística (PNL) de Bandler e Grinder

Na década de 1970, o então estudante de Sistemas e Matemática, Richard Bandler (EUA, 1950)  e, da mesma forma, o estudante de Psicologia e Linguística, John Grinder (EUA, 1940), criaram juntos a chamada Programação Neurolinguística (PNL) — uma abordagem de comunicação, psicoterapia e desenvolvimento pessoal que, dentro do processo de aprendizagem, aparece como uma ferramenta cujo objetivo é desenvolver os níveis de aprendizagem pelo autoconhecimento.

A PNL avalia as estratégias e atitudes que envolvem os comportamentos do ser humano do ponto de vista físico, intelectual e emocional, e tenta compreender o funcionamento do cérebro perante situações cotidianas. Para isso, contudo, a ferramenta criada por Bandler e Grinder dividiu o processo de aprendizagem em quatro etapas. São elas: 

1) Incompetência inconsciente

A incompetência inconsciente é a fase em que o indivíduo não tem consciência do que não sabe e está satisfeito com o que já conhece. Ou seja, ele não tem noção de que não possui habilidades para executar determinada função ou atividade.

Um exemplo, nesse sentido, é a criança recém-nascida que não sabe que precisa andar — que necessitará dessa habilidade ao longo da vida. Com o tempo, entretanto, ela passa a perceber que quem está ao seu redor anda. É então que ela avança para o segundo estágio da Programação Neurolinguística.

2) Incompetência consciente

Na fase da incompetência consciente, o indivíduo passa a entender que não possui conhecimento ou habilidade para executar certas funções ou atividades. Nesse momento, florescem a curiosidade e a vontade de aprender.

Seguindo o mesmo exemplo, é quando a criança percebe que quem está ao seu redor consegue andar e busca encontrar maneiras de fazer o mesmo. Chega, então, o terceiro estágio no processo de aprendizagem, segundo Richard Bandler e John Grinder. 

3) Competência consciente

Na competência consciente, o indivíduo tem consciência de uma determinada capacidade. Bem por isso, ganha mais confiança e compreende que progrediu.

Aqui, a criança entende, por exemplo, que, agora, sabe andar — só precisa colocar sua atenção na execução da tarefa, e dedicar-se a ela até que esta se torne uma atividade automática. Ela compreende que, para caminhar, basta equilibrar o peso, colocar uma perna na frente da outra e observar o caminho que será percorrido (visto que um obstáculo ou deslize pode ocasionar uma queda).

Depois de bastante prática, a atividade em questão, enfim, torna-se espontânea e instintiva. Ou seja, não é preciso mais pensar no passo a passo para realizá-la — e é aí que chega a quarta e última etapa no processo de aprendizagem, conforme as divisões da PNL. 

4) Competência inconsciente

A competência inconsciente é a etapa final no processo de aprendizagem, conforme Bandler e Grinder. Ela refere-se ao momento em que já se domina uma habilidade ao ponto de executar uma certa tarefa de maneira natural.

O caminho até aqui, contudo, foi de muita repetição, prática e superação de dificuldades.

A criança, que antes sequer sabia que precisava andar, agora já caminha naturalmente, de forma inconsciente, sem qualquer esforço mental destinado a pensar em como executar tal atividade. 

As etapas para assimilação de conteúdo de Victor Hugo Ferreira Júnior

Vale salientar, ainda, que em termos nacionais e mais recentes, também se pode falar em nomes como o do consultor de empresas, professor e palestrante Victor Hugo Ferreira Júnior. Ele elaborou uma teoria a respeito do processo de aprendizagem, baseada na existência de cinco etapas para que determinado conteúdo seja assimilado com sucesso. São elas:

1) Compreender

Trata-se da fase em que o indivíduo é exposto ao conhecimento, ao conteúdo, às explicações a respeito dele. Todavia, de acordo com Ferreira Júnior, compreender é apenas o primeiro passo para, de fato, aprender algo. O professor afirma que o caminho é mais longo — para ele, "entender é importante, mas com certeza não o suficiente" dentro do processo de aprendizagem.

Bem por isso, existem as etapas seguintes.

2) Reter

A retenção acontece quando a informação ou ensinamento é fixado — mantido na memória do indivíduo. Para Victor Hugo Ferreira Júnior, é a partir daí que tal conteúdo recebido passa a ter a chance de ser algo valioso no futuro.

O palestrante, no entanto, observa: "Muitas pessoas consideram que a retenção da informação já caracteriza aprendizado, afinal o conhecimento foi adquirido. Minha posição é que o conhecimento adquirido, porém não utilizado, não tem muita utilidade".

Ferreira Júnior esclarece que a retenção da informação é, sim, muito valiosa, visto que "transforma aquele ensinamento em um recurso que pode vir a ser utilizado no futuro". Mas, para ele, "conhecimento guardado não tem grande valor" — "conhecimento compreendido e retido começa a ter real valor quando leva à etapa três (ou mesmo à quatro)", acrescenta. 

3) Praticar

Colocar em prática aquilo que se compreendeu e conseguiu reter é a terceira etapa do processo de aprendizagem, conforme o professor Ferreira Júnior. "Apenas quando leva a uma ação, o conhecimento começa a gerar algum resultado prático, algo que efetivamente traga riqueza, melhorias, evolução no sentido mais geral", ressalta ele, que também faz um alerta — "Colocar em prática não é tão simples como pode parecer, pois envolve algo muito complexo na natureza humana: mudança de hábitos".

Essa mudança de hábitos, por sua vez, acontece por meio de duas forças: motivação e cobrança.

4) Disseminar 

Depois de compreender, reter e praticar um conteúdo, é hora de disseminar o conhecimento adquirido.

Além de ensinar aos outros, esta também é uma maneira de fixar ainda mais o que se aprendeu.  

5 ) Criar 

Por fim, de acordo com Victor Hugo Ferreira Júnior, o "topo do aprendizado" acontece quando o indivíduo "começa a gerar novos conhecimentos a partir daqueles que adquiriu". 

Pode-se observar, até agora, que o processo de aprendizagem é uma experiência complexa e contínua, dividida, especialmente, em diversos períodos e etapas, certo? Mas, não para por aí. Existem alguns fatores e elementos que influenciam o ato de aprender. Confira quais são eles, a seguir! 

Fatores e elementos que influenciam diretamente no processo de aprendizagem

O processo de aprendizagem pode ser influenciado pelos mais variados fatores e elementos. Dentre eles: 

  • Motivação e estímulos (de dentro e de fora da escola): um aluno interessado em adquirir novos conhecimentos tem mais sucesso no processo de aprendizado, visto que costuma ser mais ativo e empenhado na tarefa — e, consequentemente, absorve melhor as informações; 
  • Conhecimentos anteriores: a concretização do conhecimento acontece quando as novas informações relacionam-se com as que o indivíduo já possui; 
  • Quantidade de informação: sobrecarregar os alunos com uma quantidade exagerada de novas informações não é uma estratégia que contribuirá positivamente no processo de aprendizagem;
  • Diversidade nas formas de ensinar: variar a metodologia de ensino, bem como a abordagem e as atividades ajuda, principalmente, a manter a atenção e a concentração dos estudantes no que está sendo trabalhado em sala de aula;
  • Formação profissional do docente, e a organização dele: quanto mais preparado um professor estiver (tanto em termos de dominar o conteúdo quanto de conhecer as melhores formas e metodologias para abordá-lo com a turma), mais eficiente será a transmissão  do conhecimento para as crianças e adolescentes. Além disso, um docente também precisa organizar-se — definir objetivos; elaborar estratégias; planejar etapas no processo de ensino; analisar resultados, e verificar se eles são satisfatórios; e repensar tudo isso se for necessário;
  • Contexto familiar e social: o ambiente familiar e social em que os discentes estão inseridos é mais um dos fatores que influenciam diretamente no processo de aprendizagem deles. As crianças e adolescentes já contam, desde pequenos, com uma bagagem cultural e com os hábitos e costumes herdados dos pais e da família em geral;
  • Alimentação: uma alimentação saudável, com todos os nutrientes que o organismo precisa, é o combustível para que o cérebro consiga processar todas as informações da forma correta e mais eficiente que puder;  
  • Trabalho em equipe: o processo de aprendizagem também costuma ser mais bem sucedido quando os alunos têm a oportunidade de interagir entre eles, colaborar uns com os outros e trabalhar em equipe. 

Por fim, veja abaixo como é possível potencializar ainda mais o desempenho e o processo de aprendizado dos estudantes. 

Como a escola pode potencializar o processo de aprendizagem dos alunos 

Separamos aqui algumas dicas de como os educadores podem ajudar ainda mais os discentes quando o assunto é aprendizado — especialmente no que se refere a manter a atenção, o interesse e o foco das crianças e adolescentes no processo de ensino. Confira:

  • Relacionar as matérias com o cotidiano e com o conhecimento pessoal dos estudantes, bem como com as outras disciplinas escolares;
  • Sempre que possível, resumir os assuntos em tópicos, destacando os pontos principais;
  • Apresentar as atividades de uma forma que pareçam desafiadoras; 
  • Incluir a tecnologia e as ferramentas digitais e educacionais no processo de aprendizagem; 
  • Propor práticas diferenciadas — sair do lugar comum, que é a sala de aula, e planejar atividades externas (que, claro, tenham relação com o conteúdo em questão que deve ser trabalhado); 
  • Tentar tornar as aulas o mais dinâmicas possível; 
  • Acompanhar, individualmente, o desempenho de cada discente, para que seja possível identificar as principais dificuldades e traçar estratégias de ensino capazes de combatê-las da forma mais eficiente.

Ainda nesse sentido, é fundamental a escola:

Mas, como ter tempo para tratar, com cuidado e atenção, de todas as questões mencionadas ao longo deste artigo? 

Na área da educacional, a correria do dia a dia é constante. Bem por isso, tanto gestores quanto professores e demais colaboradores envolvidos na educação das crianças e adolescentes devem questionar-se a respeito de como arrumarão tempo para se dedicarem mais ao processo de aprendizagem dos alunos.  

Nossa sugestão: apostar em parcerias pedagógicas capazes de facilitar os processos administrativos e burocráticos otimizando, assim, o tempo de todos. É o que faz  o SophiA Gestão Escolar!

O software de gestão de escolas foi desenvolvido pela empresa Prima, e possui o objetivo de simplificar as tarefas administrativas e pedagógicas dos gestores e professores para que consigam dedicar mais tempo ao que realmente precisa da atenção deles.

SophiA Gestão Escolar auxilia, por exemplo, o docente em processos como o lançamento de notas, faltas, tarefas, conteúdos didáticos e, até, ocorrências dos alunos, tudo via internet. Por meio dessa solução pedagógica, o professor também pode acompanhar o desempenho acadêmico de cada turma e dos discentes, de forma individualizada, mantendo os dados organizados e com fácil acesso. 

A ferramenta tecnológica — que é destinada tanto à educação infantil quanto ao ensino fundamental, médio e técnico — também:

  • Está integrada a sistemas contábeis e aos principais bancos, o que permite agilidade na geração de boletos em lote;
  • Facilita o controle das contas a receber e a pagar da instituição de ensino;
  • Emite notas fiscais de serviço e de produto com facilidade; dentre diversas outras funcionalidades.

Acesse a página online do SophiA Gestão Escolar e conheça a ferramenta.  Para dúvidas e demais informações sobre como essa solução pedagógica pode ajudar a sua escola a potencializar o processo de aprendizagem dos estudantes, entre em contato com a equipe responsável por ela e agende uma visita sem compromisso à sua instituição de ensino!

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Ligamos para você

Menu

Carregando ...

Reportar erro! Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou
de informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por SophiA, em Gestão Escolar

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.